Top
 

Teste de Sensibilidade Alimentar

Teste de Sensibilidade Alimentar Mediada por IgG para 221 Alimentos

 

As análises laboratoriais de intolerância, de alergia e de sensibilidade alimentar são diferentes. Ultimamente algumas terminologias e designações têm sido utilizadas sem um consenso de nomenclatura, não tendo sido alcançada unanimidade de opinião entre os vários especialistas clínicos e laboratoriais sobre estes termos.

 

Em relação a classificação das reações alimentares, temos:

a) Aquelas em que o sistema imunitário não está envolvido (Intolerância a alimentos)

b) Reações alimentares mediadas pelo sistema imunitário – imediatas ou retardadas (Alergias alimentares e Sensibilidade Alimentar)

 

Classicamente define-se como intolerância alimentar a ausência ou deficiência de uma enzima digestiva que dificulta ou impossibilita a digestão de um grupo de alimentos. O diagnóstico da intolerância alimentar é essencialmente clínico, não havendo testes laboratoriais, com algumas exceções, como no caso da doença celíaca (intolerância ao glúten).

Das reações onde o sistema imunitário reage a um alimento através da produção de uma imunoglobulina, há a possibilidade de detecção laboratorial.  Na alergia alimentar, propriamente dita, ocorrem reações clínicas exuberantes e bem definidas momentos após a ingestão do alimento em causa, levando à produção de imunoglobulinas do tipo IgE. A pesquisa de IgE específica, nestes casos, se positiva, determina a alergia a determinado alimento.

A sensibilidade alimentar, por sua vez, provoca reação retardada, algumas horas ou dias após a ingestão do alimento causa. As reações não são tão fortes e também não parecem relacionadas à ingestão dos alimentos. Nos casos de sensibilidade alimentar há a produção de imunoglobulinas IgG e a pesquisa de IgG específica para o alimento, quando positiva, determina a fonte de sensibilidade.

Há evidências clínicas de que a eliminação da dieta de alimentos identificados pela pesquisa de IgG laboratorial em pacientes portadores de síndrome do cólon irritável e complicações digestivas, contribua significativamente para melhorias na sintomatologia. Outras patologias sistêmicas também têm sido investigadas, assim como processos inflamatórios crônicos e doenças autoimunes e degenerativas.

A clinica disponibiliza teste quantitativo para a investigação de sensibilidade a alimentos mediada por IgG para um painel de 221 alimentos pela técnica de Microarray ELISA (microarranjos). Dentre os grupos de alimentos investigados, encontram-se Laticínios, Peixes e Frutos do Mar, Cereais, Frutas, Ervas e Especiarias, Carnes, Frutos Secos, Nozes e Castanhas, Vegetais. O teste é realizado em amostras de sangue colhidas em tubo de soro com gel e a reação de intolerância aos alimentos é expressa pela concentração do nível de IgG (U/ml)  específico no alimento.

 

Alimentos Pesquisados:

LATICÍNIOS:

Alfa-lactoalbumina; beta-lactoalbumina; leite de búfala; caseína; leite de vaca; clara de ovo; leite de cabra; leite de ovelha

CEREAIS:

Cevada; trigo sarraceno; milho; cuscuz; sêmola trigo duro; linhaça; gliadina; malte; milhete (painço); aveia; polenta; quinoa; arroz; centeio; espelta; transglutaminase; trigo; germe de trigo

CARNES:

Carne de vaca; carneiro; avestruz; touro; perdiz; porco; codorna; coelho; peru; vitela; veado; javali; cabrito; frango; pato; cavalo

FRUTAS:

Maçã; damasco; abacate; banana; amora (blackberry); cassis; mirtilo; cereja; oxicoco; tâmara; figo; uva; toranja; goiaba; kiwi; limão; lima; lichia; manga; melão; amora; nectarina; azeitona; laranja; mamão papaia; pêssego; pera; abacaxi; ameixa vermelha; romã; uva passa; framboesa; groselha vermelha; morango; tangerina; tomate; melancia; caju

ERVAS E ESPECIARIAS:

Alcaçuz; noz moscada; salsa; pimenta do reino; babosa; anis; manjericão; louro; camomila; pimenta caiena; tomilho; estragão; baunilha; semente de mostarda; urtiga; sálvia; açafrão; alecrim; pimenta chilli; menta; hortelã; orégano; lúpulo; ginseng; ginkgo biloba; gengibre; alho; endreo; curry; cominho; coentro; cravo da índia; canela

FRUTOS SECOS:

Coco; avelã; macadâmia; amendoim; pinhão; pistache; chufa; noz; amêndoa; castanha do pará; castanha

VEGETAIS:

Lentilha; abóbora; alface; amaranto; medula vegetal; alcachofra; cebola; aspargos; ervilha; beringela; mistura de pimentas; fava de feijão; batata; feijão verde; rabanete; feijão vermelho; feijão branco; alho poró; erva doce; pepino; chicória; grão de bico; acelga; aipo; couve flor; cenoura; alcaparra; repolho roxo; repolho; couve de bruxelas; brócolis; beterraba; chalotas; rúcula; endívias; ruibarbo; soja; espinafre; batata doce; nabo; agrião; mandioca

PEIXES E FRUTOS DO MAR:

Alga espaguete; alga espirulina; alga wakame; anchova; craca; robalo; carpa; caviar; vôngole; berbigão; bacalhau; caranguejo; siba; solha; lingueirão; salmão; sardinha; vieiras; camarão; linguado; lula; peixe espada; truta; atum; rodovalho; buzio; dourado; enguia; hadoque; merluza; arenque; lagosta; cavala; tamboril; mexilhão; polvo; ostra; perca; lucio

DIVERSOS:

Agar agar; cana de açúcar; alfarroba; cacau; café; noz de cola; mel; cogumelo; canola; gergelim; semente de girassol; tapioca; chá preto; chá verde; fermento de pão; fermento de cerveja

 

Veja mais no blog.

Intolerância ou alergia alimentar?

 

 

 

 

Volte para medicina personalizada – testes genéticos

Medicina personalizada – Testes genéticos